Obstetrícia

Gravidez após aborto espontâneo traz mais riscos?

Quem teve uma perda gestacional não precisa de cuidados especiais, pois isso não aumenta as chances de outro aborto. Mas se você teve 3 ou mais perdas consecutivas, é importante investigar as causas

16.10.2018 • Diversos Autores

Dr. Igor Padovesi*

Obstetrícia

Uma preocupação muito frequente entre as mulheres que já sofreram um aborto espontâneo é sobre os riscos em sua próxima gravidez.

Sabemos que essas perdas são bastantes comuns. Para as mulheres em geral, o risco de ocorrência de um aborto espontâneo na primeira gestação é de cerca de 15%. A incidência aumenta com a idade.

A gravidez em uma mulher com antecedente de apenas um aborto não necessita de cuidados especiais ou investigações profundas. Isso porque a ocorrência de um aborto espontâneo não aumenta as chances de ocorrência de outro aborto na próxima gestação.

Aborto de repetição

Mas o risco é existente e significativo nas mulheres que tiveram três ou mais perdas gestacionais consecutivas – o chamado “aborto de repetição”. Esses casos exigem a investigação médica de doenças relacionadas.

As causas do aborto de repetição podem ser diversas, incluindo:    

• genéticas (alterações cromossômicas que inviabilizam o desenvolvimento do feto);

• uterinas (associadas a deformidades ou à dificuldade de expansão do útero);

• imunológicas (o organismo da mãe rejeita componentes genéticos do pai);

• hematológicas (ligadas a mudanças nos fatores de coagulação, como as trombofilias);

 • autoimunes (a mulher desenvolve anticorpos contra o próprio tecido da placenta)    

A boa notícia é que a maioria desses problemas pode ser tratada. Se você teve abortos espontâneos consecutivos, procure profissionais com experiência nesse campo. E converse com mulheres que também passaram por isso.


Conte com o Canguru para formar sua rede de apoio!


* O Dr. Igor Padovesi é ginecologista e obstetra da USP e do Hospital Albert Einstein e consultor do Canguru. www.igorpadovesi.com.br  | Instagram: @dr.igorpadovesi | YouTube: Canal Dr. Igor Padovesi    

Compartilhe